Alfredo Augusto Varela de Vilares

76
Alfredo Augusto Varela de Vilares

Alfredo Augusto Varela de Vilares nasceu em Jaguarão (RS) no dia 16 de setembro de 1864, filho de Manuel Rodrigues Vilares e de Rosita Emília Dutra Varela de Vilares. Fez os estudos primários na Escola do Professor Teotônio Pereira de Melo, em Jaguarão (RS), e o curso secundário em Porto Alegre, na Escola de Guerra e no Instituto Brasileiro, a partir de 1881.

Depois, matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo, da qual se transferiu para a de Recife em 1886, formando-se bacharel em 1889. De volta a Porto Alegre, em 1890 foi nomeado procurador geral da República no Rio Grande do Sul, cargo que ocuparia por três anos, e tornou-se diretor de A Federação, órgão do Partido Republicano Rio-Grandense (PRR), agremiação a que pertencia. Em 1891, quando abandou a direção do jornal, trabalhou na fundação de seu próprio periódico, concretizada em 1892 com o lançamento da Folha Nova em Porto Alegre.

Em 1900, foi eleito e empossado deputado federal pelo Rio Grande do Sul. Ao lado das atividades parlamentares, continuou sua carreia de advogado e jornalista e, a partir de 1902, tornou-se professor da Faculdade Livre de Direito do Rio de Janeiro.

Em 1903 foi reeleito deputado federal e passou a dirigir o jornal Diário da Tarde, na cidade de Curitiba. Em 1904 obteve o grau de doutor em direito pela Faculdade de Direito do Rio de Janeiro e tornou-se diretor do Comércio do Brasil, de 1904 a 1905.

Em 1906, ao fim da legislatura, deixou a Câmara dos Deputados. Ingressou no Itamarati e foi sucessivamente cônsul do Brasil na Espanha, em 1908; no Japão, 1910; em Portugal, 1914; e na Itália, 1914. Aposentou-se na carreira diplomática em 1914. Foi também membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, coronel honorário do Exército e colaborador do jornal Gazeta Mercantil. Faleceu no Rio de Janeiro em 27 de julho de 1943.
Era casado com Josefina Barreto Pereira Filho.

Publicou Homenagem do Clube Republicano Rio-Grandense (1887); O Dr. Demétrio Ribeiro – A verdade sobre esse homem político (1890); A Constituição Rio-Grandense: em defesa da mesma (1896); Descrição geográfica, histórica e econômica (1897); Pátria – Livro da mocidade (1900); Direito constitucional brasileiro: reforma das instituições nacionais (1902); Germano Hasslocher: última encarnação do Rocambole (1907); Revoluções cisplatinas (A Revolução Rio-Grandense) (1915); Duas grandes intrigas: história da América Austral (1919); Remembranças: tempos idos e vividos (1920); O idealismo farrapo – Tempos idos e vividos e discursos parlamentares (1935); Cel. Joaquim Pedro Salgado (1942); Índice alfabético e remissivo da “História da Grande Revolução” (1955).

Obras Disponíveis

RES AVÍTA

HISTÓRIA DA GRANDE REVOLUÇÃO

Raimundo Helio Lopes/ Izabel Noll

 

Fonte: FGV

Comentários